Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.
Sexta, 24 de Novembro Variedades por Tiana Costa

Burro Elétrico sorteia kits

Estamos sorteando dois abadás do Burro. Clique no link - https://www.instagram.com/p/Bbheoyxlep7/ - LEIA ATENTAMENTE AS REGRAS. 
Participe do sorteio e boa sorte!!!

Sexta, 24 de Novembro Variedades por Elias Medeiros

Feijoada Solidária ajuda Juvino Barreto

Sexta, 24 de Novembro Variedades por Flávio Rezende

Sinfônica da UFRN na Escola de Música

Quinta, 23 de Novembro Variedades por Nelson Rebouças

Mostra de curtas em Pium

Quinta, 23 de Novembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da alma – Aniversário de Sai Baba, o avatar do amor

Quando tinha ai meus 19 anos, frequentador assíduo da Praia dos Artistas, jogador de frescobol, futebol de mesa, fã de poesia e leitor voraz de livros, recebi um deles das mãos da Marília Mesquita, hoje residente em Londres.

Era um livro de Rajneesh, com dez histórias zen. Até então misticismo não tinha obtido muita atenção, mas após a leitura do livro, como num passe de mágica, “endoidei” pela Índia, zen budismo, meditação, ioga, alimentação natural etc.

A coisa foi crescendo e me absorvendo a um ponto, que terminei indo bater na Índia, intencionando passar um tempo em Pune, onde Bhagwan Shree Rajneesh, que depois mudou nome para Osho, residia e mantia uma multiuniversity.

Foi chegando à Nova Deli e ele desencarnando. No mesmíssimo dia. Desisti de ir e como tinha conhecido uns devotos de Krishna, fiquei batendo perna por outras cidades da Índia e do Nepal, até descer ao sul onde passei um tempo no ashram de Sathya Sai Baba.

Fiquei por ali observando, perguntando a um e a outro qual era a dele e voltei ao Brasil, onde passei a ler mais sobre swami, principalmente livros do professor Hermógenes, seu primeiro devoto verde e amarelo.

Como os ensinamentos de Osho eram muito radicais e os de Baba mais amorosos, a idade vai nos acalmando e naturalmente a gente vai deixando aquele vulcão revolucionário de lado, migrando para posturas mais calmas e atitudes mais humanitárias.

Sai Baba desenvolvia um trabalho social intenso e focava muito na área educacional, chegando a criar o método Educare, de educação em valores humanos.

Lendo e entendendo mais Baba eu fui indo, criei a Casa do Bem, passei a gostar muito de amar a todos e servir a todos e mergulhei de cara em sua seara. Como na época tomava umas biritas, fumava um mato e outros babados mais, comecei a ficar incomodado e pedi a swami para conseguir transcender tudo isso. Foi vapt vupt. Numa noite onde o pedido foi bem intenso, adormeci e quando acordei experimentei o que chamam de uma graça alcançada. Nunca mais usei nada disso e se minha relação com ele era super, virou big.

Voltei à Índia, fundei um centro de estudos e de meditação de Baba na minha casa, depois descobri que já tinha um aqui em Natal na casa de Getúlio, fechei a que coordenava e me associei ao Grupo Sathya Sai de Natal, seguindo devoção até hoje.

Adoro Krishna, Jesus, curto tudo, mas é com Sai Baba que tenho minhas conversas mais profundas, que faço meus pedidos mais barras e com quem dialogo diariamente sobre a vida.

Quando perguntam o que sou nessa área espiritual, digo, sou devoto de Sai Baba, simpatizante de Krishna, Jesus etc., seguindo assim numa felicidade só, de estar associado a uma ruma de almas boas.

Seus seguidores acreditam que Baba veio como Sai Baba de Shirdi, nesta recente como Sathya Sai Baba, já tendo desencarnado em 24/4/2011, devendo voltar no futuro para cumprir sua última encarnação na Terra, como Prema Sai.

Muita coisa pode ser dita de suas materializações, milagres e feitos impressionantes. Neste sítio https://www.sathyasai.org.br/ a curiosidade pode ser saciada.

Hoje, dia 23, nós, seus devotos, comemoramos 91 anos de aniversário. Tem feito bem a um monte de gente de vários países. Seus projetos, universidades, escolas, métodos, continuam vivos e ativos.

Pense numa alma boa que me faz um bem danado. Swami, parabéns, volte logo e vamos em frente. Gostaria muito de encarnado estar com o Senhor novamente, em Missouri, para mais uma vez sentir a presença de um avatar, me encantar, evoluir, amar...

 

Om Sai RAM

Flávio Rezende aos vinte e três dias, mês onze, ano dois mil e dezessete. 12h49.

Quinta, 23 de Novembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da alma – reverenciando Jaeci Galvão

Quando era pequeno o mundo dos álbuns de fotografia exercia um fascínio enorme sobre todos os seres.

Como as películas eram raras, quando apareciam naqueles livros enormes, bem colocadas, com molduras elegantes, saltavam aos olhos.

Todas as famílias da classe social a qual estava inserido tinham esses álbuns, uns dos filhos, outros dos casamentos e era quase obrigação mostrar, como hoje fazemos com as digitais que tiramos, através do imenso mundo cibernético do Facebook.

E como as fotos tinham esse poder de encantar, os que as produziam com esmero e reconhecido talento profissional, eram tidos como grandes e bastante requisitados.

Jaeci era um deles, sendo meu pai seu cliente. Adorava ver suas fotos e aos poucos, crescendo, fui conhecendo seus filhos e travando amizade com a família. Lembro-me da loja dele no centro da cidade e em outros locais.

Jaeci também era visto em motos, voando, navegando, amplificando a admiração. Tudo nele chamava atenção. Até cachimbo o homem tinha, combinando com aquele rosto meio inglesado, um charme só.

Um pouco mais adiante fui conhecendo mais uma faceta de sua memorável trajetória, as fotos da cidade, inundando as mídias sociais, todas maravilhosas, bem batidas, bem curtidas, muito elogiadas e fundamentais para a compreensão do passado.

Jaeci registrou tudo, parecendo até que sabia que tempos depois, seriam todas objeto de estudos, olhares, comentários e partes do mosaico da cidade já crescida e metida à mediana.

O tempo avançou mais ainda e fui morar em Ponta Negra. Lá passei a encontrar o esportista, motoqueiro, grande fotógrafo Jaeci na padaria do uruguaio, praticamente todos os dias, passava na caminhada e o mestre estava lá, pois morava na frente.

Aos poucos fomos nos aproximando, papeando, trocando impressões, outros amigos frequentes no local chegando, e terminou virando uma confraria, bem ao tempo do mensalão. Eu comecei defendendo Lula junto a um militar aposentado e outros atacando. No fim eu passei para o lado dos crentes que Lula pisou na bola, ficando só o militar ainda simpático ao capo. Era muito legal.

Mais uma vez a roda da vida girou e deixei de frequentar a padaria, indo só de vez em quando, ainda o observando na varanda da casa, já mais velhinho. Vez por outra perguntava a Severo por ele, com notícia que gostava de balançar na rede e estava cada vez mais caseiro.

Estes dias ele partiu com idade já próxima dos 90, mas jamais será esquecido, pois deixou assinatura em milhares de fotos famosas, representativas de uma cidade bebê e de uma cidade adolescente.

Fez muitos amigos em várias áreas. Fez seu trabalho muito bem feito. Sendo o que foi, eternizou seu nome na história de Natal. Deve ter partido feliz, mesmo que às vezes exibisse um aspecto grave. Era seu jeito.

Quando era distante, admirava. Quando me aproximei, ficamos amigos. Agora que partiu, deixa saudades. Segue alma boa, vá cuidar de eternizar o céu, lá deve ter muitos ângulos bem legais. Luzzzzzzz.

 

Flávio Rezende aos vinte e três dias, mês onze, ano dois mil e dezessete. 11h46.

 

Quinta, 23 de Novembro Notícias por Luciano Kleiber

Com estrutura e capacidade de atendimento duplicadas, Sesc Mossoró será reinaugurado no próximo dia 30

Maior intervenção na estrutura desde a inauguração da unidade representou investimentos da ordem de R$ 30 milhões

Maior unidade do Sistema Fecomércio em espaço físico no Estado, erguida na década de 1970 graças ao empenho do então presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), empresário potiguar Jessé Freire, o Sesc Mossoró será reinaugurado no próximo dia 30 de novembro. Após pouco mais de dois anos de obra e um investimento total de cerca de R$ 30 milhões (incluindo equipamentos), a estrutura irá duplicar sua área construída e sua capacidade de atendimento, ganhando, entre outras coisas, uma nova Escola Sesc, Clínica Odontológica, Restaurante, Ginásio, Campo de Futebol e Parque Aquático.

O espaço agora terá ações e atividades em todos os eixos desenvolvidos pelo Sesc: Cultura, Educação, Lazer, Saúde e Assistência, sendo a unidade mais completa do Rio Grande do Norte.  A área construída passou de 5 mil m2 para mais de 10 mil m2. Apenas durante as obras, que geraram 350 empregos diretos e indiretos, o funcionamento da unidade aconteceu normalmente sem perdas aos comerciários e seus dependentes

“Mossoró terá uma unidade do Sesc elogiada em todo o país, com os espaços projetados para atender melhor o cidadão, climatizado, com equipamentos modernos. Foi um investimento viabilizado junto a CNC com bastante dificuldade, sobretudo em função dos momentos de dificuldade pelos quais passa a economia e o setor de Comércio e Serviços como um todo. Mas tenho certeza de que ele já está trazendo ótimos frutos e impactará muito positivamente no dia-dia dos mossoroenses”, afirma o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

Com a reforma e ampliação no novo Sesc Mossoró, a unidade tem um estacionamento e um bloco administrativo ampliados. Foi construída uma nova Central de Relacionamento, para atender o público interessado nos serviços oferecidos pelo Sistema.

O restaurante passou por ampliação e climatização, e onde se oferecia até 800 refeições dias, passam a ser ofertadas 1.600 refeições/dia, todas balanceadas e com preços subsidiados.

Programação domingo

 Para marcar a reinauguração da unidade, o Sesc preparou uma programação diferente para o primeiro domingo do mês, dia 3 de dezembro. Haverá contação de histórias, pintura no rosto, show de mágica, além do espetáculo infantil “O Mundo dos Cubos e de sessões infantis no CineSesc.

O espaço esportivo e de lazer será destinado a torneios nos campos de futebol e no ginásio, recreação aquática. Tudo acontecerá das 9h às 15h, encerrando com o show musical.

Neste primeiro domingo, o acesso será gratuito para os interessados. Nos domingos seguinte, o associado Sesc tem acesso livre, com a apresentação da carteira Sesc, e os visitantes pagam uma taxa de R$ 10.