Quarta, 12 de Dezembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos Natalinos - com o pai por todo lugar

Estou nos EUA mais uma vez e, a partir de uma experiência com meu pai aqui, sempre que retorno após essa experiência com ele, fico relembrando coisas que vivenciamos juntos. 
Algumas são impulsionadas por causa da ligação de papai com os americanos. Certa vez o convidei para visitar os parques de Orlando as minhas custas. Queria retribuir tantas viagens que ele me havia proporcionado. 
Mesmo reclamando um pouco da bondade filhal aceitou. Num dia de folga sentamos em confortáveis cadeiras na beira do lago do hotel e observando os fogos de artifício do Magic Kingdom, papeamos abertamente, com ele me contando o trabalho no almoxarifado da Base Aérea Trampolim da Vitória em Paramirim, ponto de apoio na travessia dos americanos para lutas na África e demais países. 
Por causa desse trabalho papai aprendeu inglês, fez amizade com americanos e passou a curtir jazz.
Nos parques já estava oitentão, mas ia em todas as montanhas russas e desceu até aquele elevador barra pesada que despenca a mais de mil. Eu só olhava.
Por essas e outras, estando aqui, fico relembrando sua presença, sua alegria em falar, narrar experiências, relatar fatos, detalhadamente, entrecortados por sorrisos que denunciavam satisfação com os eventos. 
Papai era excelente na condução do papo, sabia costurar as frases, dar o tom e a entonação dos altos e colocar os baixos nos seus devidos lugares.
Mestre em tudo, era encantador observar sua aura quando revolvia ao passado, onde tinha muitos tesouros e jóias raras para nos presentear. 
Em vida era sempre procurado para dar luz a fatos históricos do BB, da odontologia local e nacional, do exército - pois foi ex-combatente, das campanhas do Lions e de inúmeras outras atividades, como a ABO.
Agora dia 25 ele faria mais um ano. Já antecipo comemoração aqui nos EUA relembrando num dos parques que fomos, e que irei com a família, momentos mágicos que desfrutamos. 
Sempre lembro de papai com carinho. Devo muito do que me tornei a seu dedo indicador, sua bússola, seu bom exemplo. 
Na vida busco reproduzir seu modus vivendi, imprimir sua marca, repetir sua boa história. 
Te amo Fernando Rezende, eternamente, sou grato a cada acordar a oportunidade que me deu junto a mamãe, de existir materialmente, para que espiritualmente possa ser uma espécie de clone seu, aumentando sua passagem, estendendo, esticando, amorosamente dando mais sentido à vida. 
Te amo, sempre e cada vez mais. 
Luzzzzzzzz

Segunda, 03 de Dezembro Meus escritos por Flávio Rezende

I PIOM será sábado em PIUM com som e programação diversificada

Pium tem uma energia legal, todo mundo tem um olhar carinhoso sobre o local, procurado para moradia, cafezinhos,  tendo sempre eventos no Porão das Artes, a tradicional feirinha de frutas, escolas, e ainda espaços para a prática de religiões orientais. 

Para empoderar essa região de Parnamirim, tão próxima de Natal, o trio formado por Flávio Rezende, Nitay Chand e Nelson Rebouças da Jerimum Produções, recebeu apoio da Fundação Parnamirim de Cultura e com ajuda também de Goreth Caldas, do Instituto Pium de Cultura, ofertam dia 8, o I Festival PIOM – Festival Astral de Pium, das 15 às 20h, reunindo dança, poesia, feirinha, vivências e atrações musicais como a banda Atmadas, Lupe Albano e o Motor da Onça, Dekis do Acordeom e outros artistas ainda sendo contatados.  

O Atmadas terá como vocalista o pernambucano Vrindavana Dasa, fundador do ritmo mantracatu.

O I PIOM será no pátio da tradicional feirinha de frutas de Pium, integrando os festejos de Santa Luzia - padroeira da comunidade.

 

Domingo, 02 de Dezembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - o caminho de cada um

Acordo ainda um pouco debilitado por uma gripe instalada, mas super, hiper feliz, por ter presenciado neste sábado, dois momentos especiais para meu rapaz Gabriel Kalki.
Depois de um ano de ensinamentos, acampamentos, missões e demais aprendizados no NPOR, chegou o dia de levantar a espada, gritar selva e brindar com os amigos a travessia difícil, que exigiu de um jovem com apenas 19 anos, força física e mental, resistência,  paciência, obediência e fé em si mesmo.
Ontem em uníssono, todos repetiram o mantra: #valeudemais.
Observando meu filho nas solenidades, lembrei papai, militar apaixonado, ex-combatente e também do NPOR.
Papai queria que eu fosse dentista ou bancário, mas decidi ser jornalista. Ele respeitou. 
Gabriel agora quer fazer direito, mudar o curso, tentar carreira de delegado, algo na área da segurança. 
Com tanta insegurança por ai, temo, mas valorizando meu pai, que acolheu meu caminho, acolho o dele, apenas torcendo para que chegue de fato, onde almeja.
Ontem teve marcha, gritos de guerra, flexões, fotos, muitas emoções. 
Amo muito meu filho e estou super honrado em vê-lo com aquela linda farda, cheio de autoestima, confiante, altivo, luminoso, empoderado, e também, um homem de bem.

Flávio Rezende aos dois dias, décimo segundo mês, ano dois mil e dezoito.  9h05.

Domingo, 25 de Novembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos de Ponta Negra - estar no presente para magnificar o passado, e iluminar o futuro

Nos afazeres do despertar além da tradicional gastronomia cafezal, a amada Deinha igualmente desperta, senta no sofá, me possibilitando fechar mãos em seu belo rosto, beijar carinhosamente e reafirmar amor pela centésima enésima vez, tencionando gravar no mais fundo do seu coração, sentimento que move montanhas e alça vôos, para espaços divinos e áreas especiais.
E embalado por mais esta oportunidade de expressar amor, chego em Ponta Negra abastecido de luz para curtir intensamente cada momento, sentir a vida vibrante e pulsante nos seres passantes, nas imagens deslumbrantes, fazer a festa dos sentidos no contato da pele com a água, dos olhos com o verdejante crescente, do paladar com as guloseimas ambulantes e a audição imersa em Alceu, Fagner e Marisa Monte.
Na praia papeio com seres variados, perpassando assuntos transversais da existência, experimentando a glória de existir e a bênção de ser uma unidade espiritual viva e ativa, nesta sopa cósmica, que serve para que possamos atingir o nirvânico ponto de ultrapassar portais e avançar em direção a dissolução da partícula para ser parte do TODO. 
E na lição dos passos que devemos empreender para neste espaço desaparecer como parte, está a de que devemos estar cada vez presentes no aqui e no agora. 
Desfrutando de cada momento, tornando-os nobres, significativos, belos, dignos, experimentamos alegria de viver, animando a passagem e contagiando quem nos cerca.
Assim, ao chegar no Morro do Careca, faço essa imersão, relembrando a meu ser que se a vida flui aqui e agora, que esteja receptivo ao seu redor, agregue o que foi, assim virá um o que será, cheio de graça, divino e maravilhoso, deixe estar...

Flávio Rezende aos vinte e cinco dias, décimo primeiro mês,  ano dois mil e dezoito. 11h43. Praia de Ponta Negra. 

Sexta, 23 de Novembro Meus escritos por Flávio Rezende

Parabéns Baba

Se estivesse no plano material meu amado mestre estaria reunindo uma multidão de almas boas em Prasanthi Nilayam, para cantar e celebrar existência maravilhosa deste triplo avatar.
Veio como Shirdi, depois como Sathya e fechará ciclo como Prema, com a tripla encarnação dos Babas servindo ao planeta com unidade na diversidade, resgate do sanatana dharma e amor universal.
Parabéns Baba, aguardo início do novo ciclo, para mais uma vez estarmos: JUNTOS.
Om Sai Ram

Quarta, 21 de Novembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - idade inexorável, amor inominável

Escritos da Alma
- idade inexorável, amor inominável - 

Acordo animado não só por ser feriado,  mas o dia tem diversos significados. 
Tem duas vertentes espirituais. A cristã por nossa padroeira, e a hindu pela proximidade do aniversário de nascimento do avatar Sathya Sai Baba. 
E se a data é de parabéns, ponho Bob Marley no som, por ser dançante e feliz e, rebolando no ritmo de Satisfy my Soul vou produzindo meu café prensado a francesa e agregados, aguardando ansiosamente pelo despertar de Mel, a minha biscoita, menininha, peris, que hoje também está no altar das parabenizadas, recebendo reverências e cânticos em consonância com Nossa Senhora da Apresentação. 
E essa nova sócia do Clube dos Nove chega ao fim das idades unitárias, apresentando no portal da dezena cronológica, uma centena de motivos para ampliação do meu amor, e milhares de emoções para eternização do meu andor. 
Mel é escola primária, inserindo eu, a mãe e o irmão, no mundo mágico das slimes, lols e filmes infantis. 
É ensino médio pois voltamos a estudar,  sofrer com provas, notas e tarefas.
É universidade, na medida em que precisamos ser versados em todas as disciplinas e ciências, exatas, metafísicas e humanas, para entender, educar e a posicionar bem no éter planetário, esse serzinho em processo de lapidação. 
Pesquisando cabala, numerologia e significados, capto que o "número 9 (nove) simboliza poder, esforço, conclusão e, ao mesmo tempo, reflete eternidade. Na Numerologia, o nove representa a integridade e a sabedoria. As pessoas influenciadas por esse número apresentam características de líder."
Investigando um pouco mais descubro que ele reforça o triplo poder do número 3 e, logo, das "tríades sagradas (Pai, Filho e Espírito Santo, para os cristãos, e Netuno, Zeus e Hades, para os romanos, por exemplo)."
Mel portanto é um passado que agregou muita felicidade a existência da nossa família. O que já percebemos nela nos anima a prever um futuro brilhante.
Ela tem iniciativa, opinião própria, é viva, atleta, sabida, bela, amorosa, sensível, rebelde, atenta, uma unidade espiritual muito interessante. 
Que bom conviver com Mel. Sou feliz em ser pai de Mel. Me sinto bem quando estou com Mel. Afastado sinto saudades de Mel. 
Sou apaixonado por Mel, por Deinha e por Gabriel. 
Sou feliz e, além de Mel, NS Apresentação e Sai Baba dia 23, creio que nossa família também está de parabéns. 
Felicidade minha doce Mel, te amo muito minha biscoitinha querida. 
Luzzzzzzz.

Natal,  Ponta Negra,  21 dias, décimo primeiro mês,  ano dois mil e dezoito.  8h33.

 

Sábado, 17 de Novembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos de Ponta Negra - muitos poderes, super poderes, empoderados poderes

Acordo e percebo que vivo, na obviedade da existência penso que certo poder de decidir quem fica e quem parte, encontra guarita na mente de muitos. 
Tem quem credite a chuva que cai e a seca que esfomeia, a poder divino.
Tem quem crê em poderes políticos, eclesiásticos, físicos, amorosos.
O poder é fascinante, inebriante, inerente à certas coisas, ele faz subir, descer, enriquece, empobrece, renova, envelhece...
Como o poder espiritual não decretou meu fim, contente com mais um dia para usufruir existência, corri na motoca para meu templo, pois sempre é tempo para agradecer, cada momento que o poder me concede ser e estar, aqui e em qualquer lugar.
E chego, confio meus pertences a pedras seculares, mergulhando corpo no oceano Atlântico, recepcionista de corpos diversos, ávidos por refrescâncias e significâncias, sendo a minha presença no aquário potiguar de Ponta Negra, mistura de pensamentos de gratidão, com usufruto de diversão e aquela natural observação poética, já presente e imanente em meu espírito impermanente. 
E vejo as ondas, avançando nas pedras, espargindo gotas, sem julgamentos, indo, obedecendo a translação terrestre, que na mudança dos polos, balanceia águas para cá e para lá, em preamar e enchentes, normais, não ligando a maré para objetos, de quem são, molhando a todos, numa prova cabal que tornados, vendavais, secas, enchentes, redemoinhos, obedecem apenas ao poder dos ventos, temperaturas, encontros e desencontros que nada tem a ver com poderes divinos, pertencentes a vontades ou caprichos de entes, individualidades, sendo um poder normal, já estudado, comprovado, devidamente protocolado pelas ciências sabidas. 
Se então o poder segue regras por nós compreendidas, que outro poder está no campo do nosso alheamento?
Observei então em retrospectiva imersão os poderes humanos, os podres poderes, e vi na tela de minha reflexão as reações. Para cada ser que exerceu poder de maneira negativa, eventos iguais sucederam. 
No ponto inverso, idem. Então a despeito do poder natural que rege a vida física, com ações resultando de efeitos igualmente físicos, surge um outro tipo de poder, que reage a provocações. 
Chamam de Karma. Esse poder então tem consonância com seu agir. Sua efetividade futura reage a sua atividade presente.
Os poderes estão aí. Como percebemos não existe uma divindade castigando regiões e premiando rincões. 
A física rege o universo físico, enquanto nossos atos regem o universo espiritual. 
Se não queremos que águas revoltas molhem nossos viveres com os perigos da fome, violência, maledicência ou debilidades várias, cuidemos de existir de maneira correta, decente, amando, respeitando, procurando ajudar, interagindo, fluido, existindo...
Muita luz e bom fim de semana para todos.
LuzZzzz

Flávio Rezende aos dezessete dias, décimo primeiro mês, ano dois mil e dezoito.11h20.