o espaço das minhas coisas

Sábado, 29 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - um dia para agradecer e distribuir felicidade -

Acordo apreensivo com a saúde de Mel por causa de uma infecção intestinal, fumego meu café, faço companhia, até que Deinha me rende depois de desestressar da tarde/noite na urgência da Prontoclínica, fazendo exercícios físicos na academia do bairro.
Mais tranquilo chego em Ponta Negra e logo procuro me situar no mar, diante do Morro do Careca, local de preces e gratidões, além dos tradicionais pedidos para novos afazeres mundanos. 
Muitas pessoas gostam de uma entidade espiritual e com ela estabelece diversos tipos de relações. 
Apesar de muito bem querer por Jesus, Krishna, Osho e Gautama, é com Sai Baba que dialogo internamente, agradeço, planejo e peço, uma vez que ele disse para colocar os desejos na listinha de coisas a fazer que Ele entraria em parceria do bem. 
E foi um revival dos pedidos e dos resultados que tive hoje ao pé do cartão postal.
Pedi pela Casa do Bem e ela aconteceu. Muitas lutas por sua construção e manutenção e é uma realidade. 
A vida me proporcionou ainda um casal de filhos amadíssimos, esposa fantástica, irmãos queridos, amigos muitos, o dom de escrever, fotografar, empreender, o prazer de amar, ajudar, ouvir e a bênção financeira para viajar, comer, dormir bem.
Sou muito, muito feliz mesmo, não tenho problemas entre meu juízo e o coração, os passos que dei amei, os que dou aprovo, as atitudes geralmente me fazem bem, os erros compreendo seus contextos e volto atrás quando necessário for.
Nesta sexta dei meu último expediente, aposentei, pensei também na magnífica vida laboral que tive, vendi pirâmides, miçangas, salada de frutas, hot dog, tive bar, lanchonete, promovi centenas de eventos, lancei 27 livros, fundei blocos, espaços culturais, participei de entidades, ongs, ajudei todas as religiões, profissões e causas como colunista, trabalhei em TVs, jornais, revistas, fui responsável por um sem número de jornais alternativos, escrevi milhares de artigos, crônicas, textos diversos e, tenho um blog: www.Blogflaviorezende.com.br, ressaltando uma carreira como jornalista por 38 anos na UFRN, espaço amável, lugar incrível para trabalhar e uma verdadeira dádiva divina ter sido um dos seus integrantes . I Love You UFRN, responsável por uma boa parte de minha felicidade nesta encarnação. 
Se Sai Baba acha minha listinha de coisas a fazer grande, não me reclamou oficialmente. Continuo pedindo que me ajude em diversas coisas.
Tenho um planeta enorme para fotografar, pessoas ainda para ajudar, filhos para educar com bons exemplos, esposa para papear amorosamente, livros a lançar, seres diversos para cruzar e com um sorriso algo compartilhar. 
É um dia de gratidão. Que situação...

Flávio Rezende aos vinte e nove dias, mês seis, ano dois mil e dezenove. 11h39. Praia de Ponta Negra. 

Sexta, 21 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

TANZ um festival show

Quem tem filhos, condições financeiras e amor disponível, sabe que um dos grandes prazeres da vida é inserir os mesmos em ambientes saudáveis, não medindo esforços para matricular em várias coisas, até que os mesmos descubram identificações e sigam suas tendências em alguma coisa.
E seguindo esse roteiro sempre estou inserindo Mel e Gabriel em várias coisas, com Mel hoje participando da quarta edição do  Tanz Festival de Dança, uma genial sacada do casal nota mil Mingo/Rosa Costa.
Estou impressionado. Inúmeras apresentações no Cine Teatro de Parnamirim, sem falhas, envolvimento de muitas pessoas, ambiente saudável, cultural, energia boa rolando, evento bom de estar dentro e de interagir positivamente.
Deixo parabéns, sugiro futuros apoios, enalteço toda equipe, prefeitura de Parnamirim que apoiou, secretário de Cultura Haroldo, enfim, estou feliz, minha esposa idem, filha Mel nem se fala.
Tanz avante, papel fundamental, evento providencial, povo organizador profissional. 
Luzzzzzz

Domingo, 16 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos de Ponta Negra - fim de semana de morte e vida

Escritos de Ponta Negra 
- fim de semana de morte e vida -

Nos últimos dias umas notícias chegaram trazendo uma carga emocional difusa. De Recife a mensagem da passagem de um praphu, servo antigo de Krishna, que vinha ajudando junto a devotos, minorando agruras e possibilitando qualidade de vida na dor.
Em Natal dois amigos da área da comunicação deram tchau. 
Desencarnes de seres desconhecidos nos chegam cotidianamente através de informações de terremotos, atentados, tsunamis e assassinatos. Provocam reflexões. 
Notificações de passagens de almas amigas, quando nos chegam, despertam tristeza e saudades.
Apesar destes eventos, naturais de quem nasce, a vida neste fim de semana, igualmente remete meu ser a momentos extraordinariamente fantásticos, misturando emoções e provocando dubiedades. 
Ao mesmo tempo que pensava em Arruda, Allan e no praphu, me deliciava com encontros altamente queridos com Márcio Tassino no show dos Beatles 4Ever e Mozart Ferrao e família em Ponta Negra. 
Enquanto a finitude de alguns sacode, a vida pulsando reativa a necessidade de seguir e ir até o fim, posto que ignorantes do The End, só nos resta o enredo do papel a ser desempenhado e da boa performance a ser feita, e assim vivendo bem e feliz, ficaremos aptos a compartilhar felicidade e disponibilizar alegria, matérias primas fundamentais para os vivos verem as cores mais brilhantes e curtirem as relações de maneira mais proveitosa.
Diante do dito, a morte então nos torna mais vivos. Quem faz da reflexão da passagem o passo para ir junto, na minha opinião, erra. Quem - ao contrário, vive mais e busca contribuir, colaborar e potencializar o coletivo, entende que a energia da morte não é um fim, é sim um reforço, um esforço, um mais em quem fica.
Segundo alguém por aí que já foi, "nada se perde, tudo se transforma".

Flávio Rezende aos dezesseis dias, sexto mês, ano dois mil e dezenove.  12h26. 

 

Quinta, 13 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

As vezes ser jornalista é uma merda

Quando um jornalista trabalha para um veículo, é correto ser imparcial. Tem um assunto e ele precisa ver os dois lados, ouvir, expor de maneira mais isenta possível. Ok.
O jornalista porém tem vida pessoal, ideias, visões e em seus espaços próprios fornecidos por mídias sociais como face, blog, Instagram etc, ele pode opinar e ser parcial se quiser. 
Os jornalistas de esquerda são verdadeiros soldados da ideologia, aguerridos, militantes, partidários etc.
Só que não conseguem digerir bem os que pensam diferente. Quando lêem algum com opinião diversa, acusam logo de ser jornalista parcial.
Para eles só é possível posição política e ideológica a esquerda. A direita ou ao centro é heresia, fascismo, ignorância. 
Tenho percebido diariamente o quanto são hipócritas os esquerdistas, em várias situações, e o quanto são desonestos. 
Aviso então aos navegantes, não trabalho mais em TV, jornal, o blog que tenho é meu e coloquei bem grande: "o espaço das minhas coisas".
Por isso posso ser parcial, defender o que desejo e penso, não sendo portanto jornalista trabalhando e, sim, cidadão comum pensando.
Que situação, rapá...

Sexta, 07 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

Em busca de apoio para próximo livro Brechando o Planet

Consulta de apoio

Estou com novo livro orçado. Será o de número 27. Busco apoio no valor de 500,00 reais e colocação de logomarca na contracapa, além da entrega de 5 livros.

A gráfica Offset fornece nota fiscal devida. 

Quem se interessar pode entrar em contato pelo zap 84 - 999020092 ou e-mail jornalistaflaviorezende@gmail.com

Luzzzzz

Flávio Rezende 

Ps - nome do livro: Brechando o Planet

Conteúdo: minhas crônicas de amor a vida e a natureza.

Segunda, 03 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - almas desafiadoras de um horizonte desconhecido -

Marco dentista na sexta de tarde e para minha surpresa, recebo convite do meu mano odontológo Jorge, para aventura nos próximos dias em São São Miguel do Gostoso e adjacências.
Topei e fomos. Depois de incursões de pescaria e fotos recebemos convite do casal Lúcia/Nelsinho para pagamento de uma velha promessa a ser executada em Enxu Queimado.
Assim mesmo Enxu, pelas peculiaridades do lugar. Fomos avançando pelo litoral e chegamos a Avoante Pizzas e Saltenhas, onde o casal nos abraçou, revelou uma história incrível de mudanças, desafios, com eles deixando situações de vida confortáveis para novos   horizontes, tendo Nelsinho herança material significativa e aderente a onde estar e, Lúcia, idem, decidindo o casal por mergulhar no mundo náutico, adquirindo embarcação e partindo para modus vivendi em cidades litorâneas como na Bahia, estando hoje em Enxu Queimado usufruindo de uma vida diferente, alternativa e despojada. 
São seres leves, sensíveis, maravilhosos. Convivência saudável, dotados de histórias, emoldurados por vivências, sedentos de pessoas que queiram compartilhar esse lado lúdico da vida, sentir o ar, fotografar o mar, se embriagar com as cores dos frutos, das flores, alugar o chalé, estar no bem bom do amar.
Estou vivendo um momento de pura magia, espaço farto,  cores democráticas, natureza diversa, algo que os melhores sonhos anseiam, que as divindades recomendam, que os médicos prescrevem. 
Sou feliz quando diante de pessoas como Nelsinho, Lúcia e Jorge celebro a vida, me sinto gente, ser, humano. 
Que situação, rapaz...

Flávio Rezende aos três dias, mês seis, ano dois mil e dezenove.  12h47.

Praia de Enxu Queimado. 

Segunda, 03 de Junho Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma- almas desafiadoras de um horizonte desonhecido-

Escritos da Alma 
- almas desafiadoras de um horizonte desconhecido -

Marco dentista na sexta de tarde e para minha surpresa, recebo convite do meu mano odontológo Jorge, para aventura nos próximos dias em São São Miguel do Gostoso e adjacências.
Topei e fomos. Depois de incursões de pescaria e fotos recebemos convite do casal Lúcia/Nelsinho para pagamento de uma velha promessa a ser executada em Enxu Queimado.
Assim mesmo Enxu, pelas peculiaridades do lugar. Fomos avançando pelo litoral e chegamos a Avoante Pizzas e Saltenhas, onde o casal nos abraçou, revelou uma história incrível de mudanças, desafios, com eles deixando situações de vida confortáveis para novos   horizontes, tendo Nelsinho herança material significativa e aderente a onde estar e, Lúcia, idem, decidindo o casal por mergulhar no mundo náutico, adquirindo embarcação e partindo para modus vivendi em cidades litorâneas como na Bahia, estando hoje em Enxu Queimado usufruindo de uma vida diferente, alternativa e despojada. 
São seres leves, sensíveis, maravilhosos. Convivência saudável, dotados de histórias, emoldurados por vivências, sedentos de pessoas que queiram compartilhar esse lado lúdico da vida, sentir o ar, fotografar o mar, se embriagar com as cores dos frutos, das flores, alugar o chalé, estar no bem bom do amar.
Estou vivendo um momento de pura magia, espaço farto,  cores democráticas, natureza diversa, algo que os melhores sonhos anseiam, que as divindades recomendam, que a médicos prescrevem. 
Sou feliz quando diante de pessoas como Nelsinho, Lúcia e Jorge celebro a vida, me sinto gente, ser, humano. 
Que situação, rapaz...

Flávio Rezende aos três dias, mês seis, ano dois mil e dezenove.  12h47.