o espaço das minhas coisas

Quarta, 27 de Maio Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma- a boa energia dos encontros

Se fumegar café com as próprias mãos e fabricar a torrada recheada com DNA totalmente pessoal é passaporte para momentos de felicidade gastronômica, encontrar pessoas queridas, interagir, incorporar novas amizades, e no caldeirão da confraria ter extrato positivo, é ouro de mina, evento ímpar, momento perfeito.

Hoje acordei e decidi ir mais uma vez fazer registros de Ponta Negra, meu templo, terapia, lugar mágico, lindo, radicalmente universal. Tem catraia, areia, pescadores, gente caminhando, tem morro, plantas, flores, povo ambulante. Nessa terapêutica de imagens, possibilidades fotográficas, geografias, magias e sinergias, encontro o amigo João David e família, e papo vai, papo vem, passado, presente, ressurge Osho, Baba, Jesus, festas, eventos, mastruz. E o momento do tchau chega, inevitável instante, e o selar da uniao prazerosa se materializa em fusão de cotovelos.

Eis a vida, bela, magnânima, esplendorosa, onde do fumegar ao se despedir de um encontro, milagres de emoções podem ser sentidas, experimentadas, vivenciadas de maneira positiva. Viva os fazeres, os afazeres, os encontros, troca de lembranças, viva a experiência de ser feliz, pois é uma opção, e mesmo que em alguns aspectos da vida mundana tenhamos alguma diferença de opinião sobre isso ou aquilo, a essência da felicidade deve estar como a flor de lótus, acima, incólume, íntegra.

Luzzzzz Flavio Rezende aos vinte e sete dias, quinto mês, ano dois mil e vinte. 14h. Praia de Ponta Negra. 

Sexta, 22 de Maio Meus escritos por Canindé Soares

Vídeo de Canindé Soares sobre minha loja no Praia Shopping

Quarta, 20 de Maio Meus escritos por Flávio Rezende

Projeto Figuras da Cidade com pescador Ridinha

Hoje foi dia do projeto Figuras da Cidade brilhar em parceria com o alma boa Prof. André, empreendedor, benfeitor e humanista da praia de Ponta Negra. Enquanto ele correu atrás de viabilizar cidadania, dando certidão de nascimento ao pescador Ridinha, eu entreguei uma foto para sua história ter imagem e registro.

Hoje juntos fomos entregar tudo, no pé do Morro do Careca, onde Ridinha mora num puxadinho a beira-mar. Foto e certidão entregues, papos amenos, alegria no ar.

Todos saímos mais felizes, leves e cada qual a seu modo, fomos festejar. Luzzzzzz

Ps - projeto Figuras da Cidade já contemplou com foto emoldurada pescadores, ambulantes, doador de sangue e hippie.

Domingo, 17 de Maio Meus escritos por Flávio Rezende

Resultado sorteio da rifa fotográfica

A sorteada da minha primeira rifa fotográfica foi a amiga Sílvia Matias, que já recebeu a foto emoldurada e ficou muito feliz, como eu também. 

Hora então de agradecer os que participaram adquirindo cupons, aos meus filhos Gabriel Kalki e Mel pela ajuda no sorteio, além da presença de Andrea Browne - Deinha e nossa pet Lola.

Teremos agora uma rifa junina com a foto já escolhida, que revelarei em breve e uma outra promoção no Instagram. 

Gratidão e luzzzz.

Valeu galera e bom proveito Silvia Matias.

Quinta, 14 de Maio Meus escritos por Flávio Rezende

Rifa Fotográfica - sorteio sábado

Almas boas, sortearei neste sábado, dia 16, esta foto emoldurada 1.20x66cm.
O cupom custa R$20,00, no formato de cada depósito um cupom nominal, sendo o sorteio público, no interior da loja (Praia Shopping) às 17h através de uma live, com retirada de um cupom. Entregarei obra na casa do sorteado.
A aquisição do cupom poderá ser através de depósito/transferência para as seguintes contas: BB: ag 1668-3 - Cta Corrente 24002-8 ou CEF: ag 0759 - Cta corrente 801304-2 Flávio Leite Dantas de Rezende CPF 307.450.714-49 - Zap p enviar comprovante: 84.99902.0092 ou e-mail: jornalistaflaviorezende@gmail.com Grato e boa sorte. Luzzzzz

Flávio Rezende

Domingo, 10 de Maio Meus escritos por Flávio Rezende

Mamãe Deinha

Com a minha mãe no altar elevado do plano espiritual, amada, reverenciada, lembrada e alimentada com boas memórias no templo cotidiano da gratidão, endereço meu voto de Feliz Dia das Mães para Deinha, companheira, amiga, esposa e mãe, com quem divido momentos maravilhosos, viagens, passeios, compromissos e responsabilidades diversas, numa relação gostosa, gratificante e amorosa.
Pelo conjunto da obra temos tido sempre dia das mães amáveis, exigindo a circunstância atual um mais recatado e do lar, na verdade bem ao estilo dela, sempre preferindo o ninho e nele se enfronhando.
Então neste Dia das Mães peculiar, deixo algo que não muda e que não contagia para prejudicar - antes pelo contrário, quando o amor acontece, faz viver, amplia graça, purifica o ar.
Beijão linda, amooooo
- e a todas as demais mamães, de todos os reinos e ambientes espirituais, meus abraços, beijos e tudo o mais.

Sábado, 09 de Maio Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - MÃES AMPLAS, GERAIS E IRRESTRITAS - para a Mana/Mãe Liloca -

Cada ser vivente neste planeta que habitamos - seja transitoriamente, permanentemente em sucessivas reencarnações, ou somente por uma única experiência, chega através da maternidade que mundialmente conhecemos como: mãe.

Apesar do nascimento se originar unicamente com uma, ao longo da existência ampliamos o conceito, quebramos paradigmas, rompemos preconceitos e chegamos a certa idade podendo ter um olhar retrô para várias mães.

A natural, claro, tem espaço cativo, amor ativo e, no meu caso, lembranças quase diárias de muitas acontecências, como o ir para o colégio no carro, os passeios, datas festivas, as confidências, apoios, reclamações, orientações, papos, risos, choros, alternando ao longo da vida os momentos - como a fase maravilhosa da infância, com mamadeira, carinho extremo, as preocupações da adolescência com as canas grandes, blocos, carnavais, depois o assumir das rédeas, ligações, visitas, interrogações, ai chegam os nossos filhos, que são os netos dela, a velhice, doenças, cuidados, cuidadoras, hemodiálise e desencarne.

A mãe que tive/tenho, no altar da gratidão ao qual submeto minhas reverentes preces de agradecimento, tem lugar especial. No extrato da relação, amor, paz, pouca confusão e muita satisfação. Se dela nasci, dela nunca me apartarei.

E diversas outras mães também foram surgindo, como Dorinha, aquela “secretária” como ela gostava de ser chamada, pau para toda obra, praticamente renunciou a uma vida de casada para se dedicar a minha família, acendendo velas para nossos anjos da guarda, brigando, puxando a orelha, aconselhando, enfim, até seu fim, também esteve sempre presente, amando e sendo amada na mesma vibe.

E a vida vai nos dando mães, como amigas mais próximas e que se preocupam com a gente, amores que nos amam tanto, que o sexo cede lugar a amizade, com o peito deixando de ser objeto de sedução, para virar travesseiro de depressão.

Com os filhos surgem as mães deles, que pelo carinho e atenção agregada a quem tanto amamos, passamos a ver também como namoradas/esposas/companheiras e mães nossas também, uma vez que aprendendo na escola de cuidar, terminam nos colocando no mesmo balaio.

Hoje, além destas mães citadas e de tantas outras que surgem nos ambientes de ajudar o próximo, reino animal, espiritualidade, tenho que reverenciar uma mana, a Liloca nariz de tapioca, que está passando por um problema de saúde há certo tempo, chegando neste Dia das Mães de 2020, abatida depois de tantas lutas, consultas, medicamentos, injeções, aplicações e exposições quimioterápicas, deixando aqui neste escrito, aquele pensamento positivo para que esta mãe de Nina e Nana, mãe também dos manos, pois sempre presente, atenta e ativa, pode receber este título junto a mana Leila, de mãe de nós, os homens dos Rezendes, filhos de Fernando/Miriam, desejando a querida mãe Lila, que possa mais uma vez, diante de tantas lutas pretéritas já vencidas - tais quais um grave acidente de carro na adolescência, enfermidades ocasionais, situações difíceis na vida pessoal - precisa agora, mais que nunca, de forças para superar novos desafios.

É o que neste Dia das Mães, juntando todo amor por todas as mães aqui explicitadas, canalizo mentalmente e espiritualmente para a Mãe Liloca.

Segue guerreira, avante, levanta-se e mais uma vez vença. Estamos com você.

Luzzzzzzzzzzzzzzzz

 

Flávio Rezende aos nove dias, quinto mês, ano dois mil e vinte, sete horas e cinquenta e nove minutos.