Sábado, 20 de Outubro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos de Ponta Negra - Satisfaction e satisfação a família

Acordo animado e ao fumegar o café aparece Mel. Mesmo não tendo aula madrugou, e entre os eu te amos para lá e para cá - tratamento usual entre pais e filhos apaixonados, degusto meu desjejum e parto para Ponta Negra.
Antes, porém, no WhatsApp, vejo mensagem do meu rapazinho dizendo que estava bem e já em casa, em Currais Novos, onde curte Carnaxelita com namorada e amigos.
Na caminhada até o Morro do Careca - meu templo e repositório de boas energias vivificadoras, coloquei Rolling Stones no som e ao curtir Satisfaction, relembrei a mensagem de Gabriel e mergulhei no túnel do tempo.
Fui muito farrista, praticamente frequentei tudo que rolou em Natal em termos de festas, blocos, carnavais, eventos, festivais, filmes, shows, embalos, arrasta pés, carnatais, no tempo entre 80 e 2005, vindo a minha memória, que em todos esses deslocamentos, sempre avisava a mamãe e a papai para onde ia, deixando claro no após, que estava vivinho da Silva.
O amor por eles sempre foi uma constante, só evitava contar detalhes dos acontecimentos, carros acelerados e canas homéricas, para não matar os véios com histórias de excessos e babados além do suportável para suas mentes antigas e tradicionalistas.
O tsunami passou, escapei, vivo hoje certa calmaria e, agradeço aos meus, a mesma consideração e satisfação. Deixa a gente bem mais tranquilo.
Lembro bem que ao avisar mamãe - que se preocupava mais, sobre novo movimento, ouvia sempre ela dizer: - Ave Maria, para você meu filho, parece que o mundo vai se acabar amanhã, não para quieto, se acalme...
O tempo passou, meus pais partiram, as farras praticamente são memórias e, com os filhos, estamos do outro lado da história.
Gabriel é calmo, homem de muita responsabilidade no quartel e esporádicas saídas com amigos. Um relax.
Mel é pequena, temperamento acarajé com pimenta, prevejo repetir sentença de mamãe.
Tomara que o mundo não acabe.
Ave Maria, que situação...

Flávio Rezende aos vinte dias, décimo mês, ano dois mil e dezoito. 10h54.

 

Sexta, 12 de Outubro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - elegendo as crianças a presidência do amor -

Ontem a tarde levamos Mel para exames radiológicos.  Ao sair o resultado mostrou que a pequena exibia grandes resultados positivos e a revelação da informação nos encheu de genuína satisfação. 
Empoderados pela alegria da situação,  sentamos bunda numa sessão e com pipoca turbinada passamos tempo vendo um cineminha.
Em seguida a escolha do presente tradicional,  hoje logo cedo aberto com constatação de aprovação.  Enquanto a pequena comemorava sua Lol turbinada pelo 12 de outubro,  o rapazinho Gabriel acordava de dias em missão,  posto que neófito aprendiz de técnicas de guerra,  vive nas matas e casamatas,  treinando para defesa da nação. 
São meus amores, tesouros, somados aos pais,  esposa,  irmãos,  amigos,  animais,  árvores, seres de todas as cores,  matizes, odores,  filosofias e etnias, nessa diversidade democrática e maravilhosa, que anima a vida e embeleza a existência. 
Sou feliz,  fumeguei café, comi o pão integral com queijo branco e sementes de girassóis, transferi alguns recursos para causas animais, finalizei umas bondades pendentes e parti para meu templo, o Morro do Careca. 
No percurso o coração foi sendo abastecido com a alegria das crianças,  vendo as peripécias,  energia abundante e, no visual deslumbrante,  consultei meu oráculo interior,  perguntando se a maneira como sou, como reajo,  como penso e me posiciono, está de acordo com o certo,  uma vez que vivenciando um processo dicotômico,  somos questionados e acusados o tempo todo pelos que divergem. 
De olhos fechados, com corpo imerso no mar e observando a natureza e seres em movimentos diversos, senti a voz interior clara aprovando,  num siga, adelante,  prossegue teu caminho,  seja luz, promova a paz, siga como és. 
LuzzZzzz às crianças do universo e atravessemos turbulências,  mantendo nossa essência. 

Flávio Rezende aos doze dias,  décimo mês,  ano dois mil e dezoito.  11h22.

Mais no blog www.blogflaviorezende.com.br

Domingo, 30 de Setembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos de Ponta Negra - a maravilhosa diversidade democrática

Quem tem filha pequena se submete a certas posturas ditatoriais e acata sem objeção a programação imposta pela figurinha. 
Assim eu, a esposa Deinha,  a ex esposa Juciara e ela, a Mel, acorremos aos corredores do templo do consumo potiguar, o Midway, onde passamos a ver maravilhosas pessoas circulando,  numa perfeita representação da diversidade, que tanto amo e celebro em meus escritos. 
Saídas de um evento político de ojeriza a um candidato,  mulheres com mulheres,  homens com homens,  coloridos, alegres,  casais tradicionais,  com roupas diferenciadas,  penteados criativos,  se misturaram aos demais usuários do lugar, alguns até com camisas em opoio ao candidato execrado, sem nenhum problema,  num desfile respeitoso de posições,  restando a minha família a gostosa percepção do vibrante jogo democrático,  ali estabelecido, causando alegria e satisfação a este escrevinhador.
Temos visto imensas exposições de posições,  sem grandes problemas ou confrontos,  com uma facada distoante e alguns embates mais bárbaros ocasionais e pontuais,  não maculando até agora a festa da democracia e nem desafinando sua melodia, esperando eu que assim prossiga por todo o sempre. 
Agora em Ponta Negra celebro a diversidade democrática de opiniões,  caras e rostos, papeando com seres de todas as raças,  credos e percepções,  todos bem humorados e confiantes na vitória dos seus, sem no entanto falar em não aceitar o veredicto das urnas.
Independente de quem emerge vitorioso do processo,  esse lindo festival de cores, amores,  com seres amando quem quer,  apostando em quem quiser,  se vestindo como lhe aprouver,  deve se manter intacto,  afinal uma sociedade de burcas é mono,  sacal, pobre, antinatural. 
Podemos e devemos ter posições,  mas a vida como ela é em sua dinâmica respeitosa e natural nas escolhas de cada um, não está em jogo,  nem jamais pode estar.
Se um dia não pudermos mais ser quem desejamos,  a luz da democracia apaga e a treva da monocracia elimina o brilho de nossas almas.

Flávio Rezende aos trinta dias, nono mês, ano dois mil e dezoito,  11h21.


Boa semana e bom voto a todos. LuzzZzzz

Domingo, 23 de Setembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos de Ponta Negra - o templo da gratidão

Acordo cedo e cheio de boas energias me apresso em fumegar café na prensa francesa e na formatação gastronômica do pão integral com queijo branco e geléia de abacaxi,  não esquecendo as sementes de girassóis. 
Na ingestão dos anunciados um sentimento imenso de gratidão abarca minha mente e repleto de amor corro para o templo/igreja/mesquita/terreiro/mandala/campo de Buda/centro, o Morro do Careca,  meu altar,  onde ao chegar,  agradeço eventos que promovi com sucesso,  palestras que realizei com alegria,  homenagens que aceitei com amor, e livro que lancei com criatividade. 
Quantas almas boas lembrar/agradecer, por parcerias, apoios, divulgações,  companhias,  leituras, simpatias, aquisições,  convites,  lembranças,  curtidas,  compartilhamentos, abraços,  beijos, carinhos, desejos, bons pensamentos. 
No pé do templo,  em esplendoroso domingo de sol refulgente, mar caliente, céu magnificamente azul,  espalmo mãos no peito, comprimo coração e na gratidão do respirar compassado,  esparjo no ar amor, compartilho felicidade por cada acontecimento,  celebro às almas ótimas que em trajetória espiritual pelo espaço material, de alguma forma ou maneira,  na interação com os demais, deixam um pouco do bom de si, para servir por aí...
No encerramento do escrito adquiro um amendoim e ao deixar o valor por cinco, quando era quatro,  recebo um dez do vendedor que me olha feliz e diz muitas coisas bonitas tendo como fonte Jesus. 
Lembrei de ontem, quando a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias,  entregou o  Prêmio Valores Familiares e Comunitários a um hindu e a um católico,  provando para todos que o bem não tem credo/cor/partido/gênero. 
No Morro do Careca é o que faço todos os fins de semana que posso,  reverencio a diversidade e celebro estar encarnado  para desfrutar tantas possibilidades. 
LuzzZzzz e excelente semana para TODOS. 

Flávio Rezende aos vinte e três dias,  nono mês, ano dois mil e dezoito.  10h.
 

Segunda, 10 de Setembro Meus escritos por Flávio Rezende

Sábado tem Festival Radhastami BemOriental na Cidade da Criança

Das 10 às 18h do próximo sábado, dia 15, o natalense e/ou visitante vai poder curtir um programa diferente na Cidade da Criança, quando expositores, iogues, meditadores, músicos, crianças, terapeutas e outros personagens, estarão exibindo aspectos da cultura oriental para os interessados, durante realização do I Festival Radhastami BemOriental, uma ideia do escritor e jornalista Flávio Rezende e dos devotos de Krishna, Nithay Chand e Radha Gopali - com apoio de amigos.

A missão é ofertar um dia diferente, alegre, cheio de vida, ressaltando valores humanos e culturais do Oriente. Quem quiser participar expondo, como o pessoal do Japão, por exemplo, que já confirmou, basta levar material no dia e escolher um local adequado. Não paga nada para expor.

Além de uma feirinha com produtos diversos, vivências com instrutores como Olga Trindade, Prem Hasido e Flávio Ferreira, os frequentadores poderão ver uma homenagem a um grupo de pessoas que ajuda a formar uma boa percepção da cultural oriental no RN; show com Alvamar Medeiros e crianças do Centro Infantil Arte de Nascer (Pium), numa prévia do lançamento do seu mais recente trabalho musical “A Turma do Amor”, além de danças, uma explanação sobre o Festival Radhastami, com Radha Gopali, e fechando um espetáculo com a banda Atmadas, muito conhecida por ter um repertório de músicas transcendentais, que promete um show inesquecível.

O evento tem apoio da Fundação José Augusto/Governo do Estado do RN, fms Tropical, Universitária e 104 e está aberto para participantes em geral.

Serviço:

Festival Radhastami BemOriental

Dia 15 de setembro na Cidade da Criança

10 às 18h

Feira artesanal, shows, homenagem e vivências diversas

Informações: 9.9902-0092

Comissão Organizadora:

Flávio Rezende, Radha Gopali e Nitay Chand.

Sábado, 08 de Setembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma- independência para refletir e mudar

Acordo fumegando café na prensa francesa e enquanto cuido de Mel para Deinha malhar, reflito sobre o Dia da Independência comendo o pão integral com queijo branco e geléia de morango. 
Durante as mais de cinquenta décadas em que privei de harmoniosa e encantadora convivência com meu amado pai, em apenas um quesito fui infiel e, hoje me arrependo. 
Papai foi militar do exército,  ex-combatente, desfilava na parada de maneira destacada, num jeep, era motivo de orgulho e ansiava por esse momento,  mas eu não prestigiava, por ter certas posições, de achar que os militares devem estar nas ruas nos ajudando a enfrentar os criminosos e tempos mais atrás, achar que instauraram no Brasil uma ditadura.
Com a decepção a esquerda, revi muitas posições e continuo achando que os militares devem estar nas ruas,  mas não nutro mais sentimento de chateação e até compreendo certas atitudes,  percebendo o ambiente de confronto naquele período. 
No começo deste ano meu filho querido Gabriel Kalki foi aceito no NPOR e passei a vivenciar situações agradáveis e ouvir relatos sobre a formação cívica ali estabelecida, objetivando criar uma força preparada para nos defender em eventuais necessidades. 
Desde que passamos a compor o quadro de seres existentes, enfrentamos questões de invasões, dominações,  problemas internos,  sendo importante ter forças que estejam na linha de frente para a defesa ou manutenção da ordem, em inúmeros países. 
Meu rapazinho tem gostado, parece estar sendo útil em sua formação. 
Ontem fui vê-lo marchar.  Por ele fiquei feliz e por meu pai lamentei tantas ausências. 
Papai não reclamava, não exigia presença,  mas sei que devia ficar triste. 
Papai, me perdoe, voltasse o tempo e minha cabeça fosse a de hoje, seria o primeiro a chegar e iria muito lhe aplaudir.
O senhor me alertava sobre a maneira como a esquerda atua e ainda tive tempo de lhe dar razão. 
Não tive tempo de mostrar uma foto sua, no meu celular,  mas faço isso com Gabriel que é sua representação. 
Nele deposito minhas reverências ao senhor,  militar altivo,  ser ativo, dentista dos melhores,  bancário honesto, pai inesquecível, amigo eterno,  pai amado e querido. 
Dedico este 7 de setembro a ti, pedindo perdão pelas ausências e, ao Gabriel Kalki, avante meu amor. 

LuzzZzzz.

Flávio Rezende aos oito dias, mês nove, ano dois mil e dezoito.

 

Terça, 04 de Setembro Meus escritos por Flávio Rezende

Cultura Oriental será reverenciada dia 15 na Cidade da Criança - Festival Radhastami BemOriental -

Um grupo de admiradores da Cultura Oriental, formado pelo escritor Flávio Rezende e pelos devotos de Krishna Nithay Chand e Radha Gopali - com apoio de amigos, decidiu promover todos os anos o Festival Radhastami BemOriental, começando a primeira edição por Natal, especificamente na Cidade da Criança, com programação variada das 10 às 18h do próximo dia 15, com entrada de apenas R$ 2,00.

Segundo Flávio Rezende, idealizador do evento, o objetivo, “é ofertar ao povo potiguar um festival multicultural com aspectos da cultural oriental, envolvendo vivências meditativas, artes marciais, terapias, massagens, além de uma feirinha de produtos artesanais com diversas tendas, e uma programação cultural com Alvamar Medeiros e as crianças do Centro Infantil a Arte de Nascer, banda Atmadas, danças, cantar do Hare Krishna e uma homenagem com entrega do Certificado do Bem as pessoas que contribuem e/ou contribuíram para a divulgação da cultura oriental em Natal”.

O evento terá a segunda edição no dia 15 de dezembro em Pium, contando com apoio da Fundação José Augusto/Governo do Estado do RN para sua realização ocorrer na Cidade da Criança.

Serviço:

Festival Radhastami BemOriental

Dia 15 de setembro na Cidade da Criança

10 às 18h

Feira artesanal, shows, homenagem e vivências diversas

Informações: 9.9902-0092