o espaço das minhas coisas

Terça, 22 de Dezembro Variedades por Sai Baba

Reflexão de Sathya Sai Baba

 O que é, fundamentalmente, o sadhana (prática espiritual)? É upavasam, upasana. ‘Upa’ significa perto, ‘Asana’ significa sentar, e ‘Vasam’ significa residir. Nós sentamos próximos a um ventilador para que possamos nos refrescar. Sentamos perto de Deus para que possamos receber algumas qualidades Divinas e nos livrar de qualidades não divinas. Deus não é um aparelho externo ou de conveniência, como o ar condicionado.

Ele é o Antaryamin, o diretor interno, a realidade interior, a base invisível, na qual todo o mundo visível é construído. Ele é como o princípio do fogo que é latente na madeira, que pode ser manifestado quando um pedaço é esfregado vigorosamente contra outro.

O calor que é produzido consome a madeira no fogo! A companhia dos bons e dos santos (satsang) faz vocês se encontrarem com outros indivíduos de igual natureza e cria o contato que manifesta o Fogo Interno. Sat-sang significa encontrar o Sat; o Sat (Verdade) que é falado enquanto se exalta Deus como Sat-chit-ananda. (Divino Discurso, 10 de maio de 1969) 

Terça, 22 de Dezembro Variedades por Flávio Rezende

Fotografando o Planet

Terça, 22 de Dezembro Variedades por Flávio Rezende

Fotografando o Planet

Segunda, 21 de Dezembro Variedades por LBV

Opinião - Paiva Netto

Natal Permanente de Jesus 

Paiva Netto 

O exemplo de Jesus simboliza, há mais de dois mil anos, a possível convivência pacífica entre os povos permanentemente. 

Um dos mais nobres propósitos de todos os cristãos de Boa Vontade é perseverar, com Fé Realizante, no anúncio da Volta Triunfal do Cristo Ecumênico, o Divino Estadista, ao nosso convívio no planeta. Considero sempre oportuno tratar com vocês a respeito desse tema. 

A abrangência da Boa Nova, que o Benemérito e Altruísta Filho de Maria e José nos apresentou, demonstra que Sua presença entre os seres da Terra jamais deve sugerir receio aos Irmãos em Humanidade que não professem o Cristianismo. 

Jesus não gera incômodo ao bom senso humano. Sublime Benfeitor, Ele vem para somar no pleno progresso sustentável, espiritual, material, ético e social que trabalhamos por atingir. 

O Cristo sobre as nuvens 

Para dar minha modesta contribuição ao assunto, lancei, em 2000, Apocalipse sem Medo, no qual reuni algumas das palestras que venho fazendo há décadas pelo rádio, pela TV e, nos últimos anos, pela internet. 

Mas vejamos este ponto: que significa também Jesus vir sobre as nuvens? 

No Apocalipse, 1:7 e 8, lemos: 

“7 Eis que Jesus vem com as nuvens, e todos os olhos O contemplarão, até mesmo os daqueles que O traspassaram. E todas as nações da Terra se lamentarão sobre Ele. Sim. Amém. 

“8 Eu sou o Alfa e o Ômega, o A e o Z, o Princípio e o Fim, diz o Senhor, Aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso Deus”

Quem profere essa previsão confortadora sobre a Volta Triunfal de Jesus é o próprio Deus (versículo 8). 

Não temamos, pois, o Livro das Revelações, que anuncia que Ele vem sobre as nuvens, isto é, no Alto, para sublimar nosso conhecimento na Religião, na Ciência, na Filosofia, na Política, na Economia, na Arte, nos Esportes etc., por força do que Ele conhece muito bem: o Amor Fraternal e a Justiça Divina. 

Dia virá em que testemunharemos toda a sabedoria terrestre receber a Sua incomparável Claridade. É necessário que os jovens concebam isso e passem a analisar os fatos humanos, pessoais e internacionais, sob a luminosidade dos ensinos Dele; livres, porém, de qualquer fanatismo. Jesus não é algema, mas liberdade sem libertinagem ou drogas e outros desatinos que nada mais significam do que a implacável destruição do indivíduo. 

Apocalipse superior a Nostradamus 

A expressão marcadamente cifrada do Livro das Profecias Finais serve para provocar nossa curiosidade. Se tudo estivesse destrinchado, vocês o leriam de uma só vez e ainda exclamariam: “Ah, é claro!” 

Bom exemplo para essa argumentação é o de Nostradamus (1503-1566). Todos falam nele... Mas poucos alcançam uma definição palatável do que previu. É porque o vidente de Salon escreveu de tal maneira labiríntica que há mil e uma interpretações para o que pretendeu transmitir. (...) Eles vivem, então, mesmo sem o demonstrar, atentos ao que o áugure francês disse, justamente pelo apetite de decifrar seus escritos e conceituar tais vaticínios. Isso faz parte do espírito das gentes. 

Ora, o Apocalipse, por ser de Jesus, é superior às previsões do autor das Centúrias. Notamos isso claramente quando, tendo “olhos de ver e ouvidos de ouvir”, procuramos interpretá-lo em Espírito e Verdade, à luz do Mandamento Novo do Cristo (Evangelho, segundo João, 13:34 e 35): “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros”. Isto é, jamais sob a visão do ódio que procura esmagar as criaturas. 

Salve o Natal Permanente de Jesus! 

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor. 

paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com 

Arivaldo Oliveira

Relacionamento Institucional | Natal/RN

Legião da Boa Vontade|www.lbv.org

(84) 3613-1655 | (84) 99451-7849

Segunda, 21 de Dezembro Variedades por Flávio Rezende

Fotografando o Planet

Segunda, 21 de Dezembro Variedades por Sai Baba

Reflexão de Sathya Sai Baba

Conscientizar-se de Brahman (o Absoluto) através da meditação contínua em Brahman não é um caminho agradável para todos. Por essa razão, mestres espirituais como Ramanuja davam preferência ao caminho da devoção. Eles mesmos vivenciaram a bem-aventurança que flui do amor de Deus e propagaram o princípio do amor como a forma mais fácil de se vivenciar o Divino.

Houveram mestres que enfatizaram o Caminho da Ação (Karma Marga), o Caminho da Sabedoria (Jñana Marga), os diferentes tipos de yoga, ou outras formas para se conscientizar do Divino. Mas a corrente subjacente que flui por todos eles é o caminho de Bhakti — o caminho do Amor Divino. Isso é aceito por todos eles. O amor deve expandir do indivíduo para todo o universo. O amor é Deus.

O universo é permeado por Deus. Ver Deus em tudo, amar tudo como uma manifestação de Deus e oferecer tudo a Deus como uma oferta de Amor: esse é o caminho do Amor! (Divino DIscurso, 19 de janeiro de 1986)

Domingo, 20 de Dezembro Variedades por Sai Baba

Reflexão de Sathya Sai Baba

Sem a firme fé na onipresença do Divino, a devoção não tem sentido. Ao se desenvolver a fé, a devoção é nutrida e a devoção permite que a pessoa enfrente todas as vicissitudes da vida com fortaleza e serenidade, considerando-as como concessões da Providência. No final, a devoção unidirecionada a Deus leva à união com o Divino.

Hoje a devoção começa com o ritual matinal do yoga (uma forma de adoração), progride ao meio-dia para bhoga (desfrute), e termina com roga (enfermidade) à noite. “Satatam yoginah”, diz a Gita. Estar absorto no Divino a todo momento é a marca de um yogi. Isso não pode ser alcançado em um pulo, mas sim através de uma prática constante. A autorrealização é a meta.

O amor é o meio. A vida pode alcançar sua plenitude através do cultivo do Amor. Todos devem se esforçar para alcançar essa plenitude preenchendo esta aventura humana com a doçura do amor e transformando-a em uma expressão da Divindade. Essa é Minha bênção para todos vocês. (Divino Discurso, 19 de janeiro de 1986)