o espaço das minhas coisas

Sexta, 19 de Abril Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - na seara do Mestre Jesus

Acordo cedíssimo, fumego café, ouço uma procissão entoando cânticos cristãos passando na porta e mentalizo caminhada pelos cantos e recantos de Ponta Negra.
A Via Crucis de Jesus não me ocorreu no sentido do sofrimento físico, mas certamente Jesus também percorreu o caminho do Pretório ao Calvário pensando. 
E neste sentido tive minha Via Crucis pois ouvi de uma querida amiga - ao pé do Morro do Careca, algumas críticas as pessoas que se exibem no Instagram, afirmando que muita gente que orbita no universo daquela mídia, no fundo, tinha inveja de quem é de fato feliz, mascarando esse sentimento negativo com superexposição de trivialidades boçais. 
Andando no pós ouvir, pensei se ela também de alguma forma estava invejosa dos invejosos, num jogo difícil de compreender, de egos, posto que o mesmo se manifesta até na área da humildade. 
Andando mais um pouco pensei em abordar o assunto nos meus escritos e, logo, refleti: falando sobre não estarei eu igualmente manifestando ego, quando ao expor a situação, de alguma forma posso passar impressão de estar acima das duas situações?
Aí a minha Via Crucis pensamental elevou atenção ao Mestre Jesus, e refleti sobre quantas coisas escrevi que podia ter evitado, incomodando pessoas, muitas vezes provocativas, cheias de intenções de confronto? 
Segui adiante e lembrei dos grupos de zapzap e daqueles que ficam na moita, que só lêem e nada dizem, conseguindo manter com isso amizade geral e zero problemas. 
Então a reflexão na seara do Mestre foi no sentido de ser mais parcimonioso, me expor menos, falar pouco, ouvir mais. 
Decidi parar para comer. Sentei, olhei o Morro do Careca já mais afastado, e o Mestre sussurrou: não peque pela omissão. 
Olha a situação...

Feliz Páscoa para todos. Muita luzzzzzz

Flávio Rezende aos dezenove dias, quarto mês, ano dois mil e dezenove. 11h41. Praia de Ponta Negra. 

COMPARTILHE