o espaço das minhas coisas

Segunda, 23 de Março Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - o vácuo físico e o espaço imaterial

Acordo cheio de energia depois de dias de Netflix, convivência familiar, padaria, delivery e, visto minha carapuça de jornalista, compreendendo o momento histórico, onde nunca antes na história do planeta Terra houve uma retração humana tão intensa, a nível global, lembrando que pontualmente por causa de guerras, terrorismo e até vírus, ocorreram restrições pontuais geográficas.

Agora não, o tal Corona avançou de tal forma que ampliou babado e obrigou sapiens a voltar as cavernas. Devidamente abrigado no recôndito dela, empunhou escudo contra perigo invisível, acreditou nas recomendações e tratou de se acomodar no lar. Mas o momento é mágico, diferente, nunca antes experienciado, é a volta ao ventre verdadeiramente global, a primeira experiência planetária coletiva de reconhecimento sem contestação. Vai ter problema econômico, fome, desemprego, mil e uma dificuldades, vai sim, mas ninguém em sã consciência pode dizer não as decisões governamentais.

Apesar disso, cremos que passará, aí entra o papel do jornalista, do fotógrafo. Assim como estamos nas guerras, no meio das balas perdidas, devemos estar registrando o vácuo, as ruas vazias, os médicos na luta. Sem nós não existirá memória, história, a prova cabal, a comprovação incontestável.

Me somo - apesar do perigo, ao exército do bem dos memorialistas, dos jornalistas, cinegrafistas, produtores, e tantos outros documentaristas da vida em movimento. Acordei cedo, registrei praças, ruas, avenidas, praias, sem me aproximar de pessoas, mantendo distância, obedecendo regras, para poder ofertar um pouco de história, de onde vivo, uma cidade pequena, esquina do continente brasileiro, Natal, num dia quente, de muito sol, vi policias trabalhando, natureza intacta vibrando, espaços urbanos sem movimento, vi a vida de maneira nunca antes vista. Sigamos e estando vivo e saudável produzo, deixo história, memória, algo que pode a alguém servir. No meu Facebook posto um álbum com as fotos deste tour fotográfico histórico. Luzzzzz.

Flávio Rezende aos vinte e três dias, terceiro mês, ano dois mil e vinte. 13h56. Praia de Ponta Negra

 Link do álbum: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2807663046016491&id=100003184684219

COMPARTILHE