o espaço das minhas coisas

Quarta, 25 de Dezembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - um pai eterno em meu Natal

 Apesar do desfrute maravilhoso de dez dias em família por cantos e recantos do Rio, Lumiar e São Paulo, com o agregar do curtir, proteger, dirigir, atento estar, desembarcamos em Natal na véspera do natal, refletindo êxtase e cansaço, mas logo cedo, no dia que Jesus de fato nasceu, já recebi mano Jorge para curta convivência e, sem pit stop a mais, parti para Ponta Negra, point ecumênico de gratidão, exercício do dom fotográfico e do gozo dos prazeres vários.

Com som jazzístico nas orelhas, lente sigma ajustada e CANON afiada, sintonizei coração em papai e fui ofertando e agradecendo à ele meu dom de muitas coisas, minha certa paciência, gosto pela leitura, curiosidade por acontecências, além de respeito, bom humor e muita interação com todos os seres, sem considerar raça, religião, política ou condição social.

A cada passo dado, o parabéns pelo aniversário, posto que papai nasceu neste 25 de dezembro, reunindo a magia do Noel e a divindade de Jesus, relembrando que ele foi meu professor de tantas coisas, confessor e confessionário, exemplo, templo, muso, inspirador e, sobretudo amigo.

Tive com meu pai uma relação admirável, que beira a perfeição, na carne o amava demasiado, com ele o mundo ficava completo, queria beber de sua fonte, ouvir suas narrativas - mesmo que as tivesse já ouvido dezenas de vezes.

Ele era intenso, produtivo, por onde passou se fez presente, foi notado, homenageado, admirado, aplaudido, sempre positivamente, por todos que o cercavam e conviviam.

A memória de papai é o maior presente de Natal, a lembrança mais admirável, a mala mais desejada de carregar por todos os cantos e lugares, sem peso, cheia de encantamentos, gestos gentis, saudações amigáveis, posturas humanitárias e engajamentos profissionais devidamente condecorados.

Estou sempre feliz quando nele penso, emocionado. Sou apaixonado, sou louco, reconheço em papai uma influência primordial para meu viver. Te amo meu pai, parabéns, estamos juntos, sempre, eternamente.

Flávio Rezende aos vinte e cinco dias, décimo segundo mês, ano dois mil e dezenove, 11h27. Praia de Ponta Negr. 

COMPARTILHE