o espaço das minhas coisas

Sexta, 13 de Setembro Meus escritos por Flávio Rezende

Escritos da Alma - Visitante é a glória

Estou em Vitória. Circulando e me relacionando de diversas formas tenho colhido simpatias, bom atendimento, sorrisos e excelentes interações. Aí hoje chamei um Uber em direção ao centro histórico. O senhor hiper bem vestido, muito articulado, culto, paulista, inteirado do planet, revelou que o capixaba tem DNA bruto, limitação social etc e tal. Fiquei pasmo, mas depois das fotos, sentei para um café e pensei. As relações das pessoas com turistas são sempre simpáticas, profissionais, amigáveis. Já as cotidianas entre seres da cidade, tem dinâmica diferente. Para o turista os ensinamentos pregam o sorriso aberto, a mão firme, a informação educada. De fato a régua que tenta medir a cidade não pode ter a centímetragem do forasteiro. Sendo assim estou por cá colhendo, como em alhures, esse carinhoso olhar, esse diferenciado comportamento e, curtindo, usufruindo, desfrutando. Onde chego sou muito bem recebido, no Brasil e no exterior. Confesso ser brincalhão, bem humorado, generoso nas gorjetas, simpático no olhar e bom de papo em todo lugar. Na Índia, dizem que toda ação, corresponde a uma reação. Creio que faz sentido. Em várias situações, até com opositores políticos, um abraço desarma, um sorriso agrega, chamar de alma boa une. Mesmo tendo posições diferenciadas de outros seres em muitas áreas - pois somos plurais, naturalmente, busco a interseção, o ponto de equilíbrio, a compreensão. Que situação, rapaz... Flávio Rezende aos treze dias, nove meses, dois mil e dezenove anos. Vitória do Espírito Santo. 17h49. Praia do Camburi. 

COMPARTILHE