o espaço das minhas coisas

Domingo, 27 de Janeiro Vídeos da Vida por Daniella de Medeiros

Falando sobre a Casa do Bem para a jornalista Daniella de Medeiros

0 JORNALISTA QUE OBTEVE SUCESSO AJUDANDO AS PESSOAS

Do Bem. Solidário. Eficiente.

Há quase 40 anos, Flávio Rezende trabalhava como jornalista prestando serviço a vários meios de comunicação até que conseguiu juntar dinheiro para construir sua casa própria. No dia que decidiu onde seria seu terreno, recebeu um pensamento de que sua casa deveria ser em outro bairro. Um bairro de Natal que era conhecidamente violento.

“Morar em Mãe Luiza era considerado uma loucura”, lembra Flávio. Logo encontrou um terreno para comprar e começou a construir sua casa. Morando no local, percebeu os problemas das pessoas carentes do bairro. Sem intenção, começou a ajudar a todos que pediam visto que conhecia pessoas que prestavam os serviços para os moradores da comunidade.

“Eu levava as pessoas para o hospital no meu carro por que não existia SAMU naquela época. A coisa foi crescendo. Eu acordava pela manhã e já havia gente pedindo ajuda na porta”, comenta. Algumas pessoas começaram a pedir o espaço de sua casa para dar aulas gratuitas para as crianças do bairro.

Um amigo sugeriu que ele fizesse uma casa só para o trabalho social. Flávio foi resistente, inicialmente, porque temia a perda da espontaneidade do processo.

Em agosto de 2005, a Casa do Bem foi fundada. Logo após, um empresário potiguar doou um terreno. Aos poucos, a sede própria foi construída com muitos apoios. Para equipar a casa, muitos empresários realizaram doações.

Hoje, a Casa do Bem é um local em que as pessoas podem ser voluntárias para dar aula às crianças de ballet, música, dança e outras atividades culturais. Há também os grupos de crianças que vão para eventos culturais da cidade gratuitamente.

 

Dicas para quem quer ajudar as pessoas

  1. Não queira começar com o grande;

  2. Ofereça às pessoas simples que já conhece e ofereça para ir ao cinema, fazer uma atividade que elas não podem pagar;

  3. Faça coisas simples, como pagar o material escolar do filho da empregada, por exemplo;

  4. Se mora em condomínio, faça um grupo com os moradores para fazer um lanche no condomínio convidando as pessoas mais simples;

  5. Se é profissional de algum serviço, como dentista ou médico, atenda uma criança carente, faça o tratamento e dê os cuidados necessários para ela;

  6. Olhe a comunidade com carinho;

  7. Não espere o governo fazer algo;

  8. Tome a responsabilidade.

COMPARTILHE