o espaço das minhas coisas

Quinta, 23 de Maio Que Situação por Flávio Rezende

Que situação...

Homofobia caminha para ser criminalizada, aéreas liberadas e bagagens livres, ministérios reduzidos, a semana está fechando de maneira muito legal.
A manifestação agendada vai pedir que políticos tenham comportamento pró Brasil e deixem seus umbigos de lado.
A coisa está ficando interessante.
Que situação, rapá...

Quando a gente viaja para fora vê companhias aéreas pequenas, com aviões para 70 a 100 pessoas, fazendo vôos regionais por preços bem acessíveis.
Brasil perdeu muito tempo com reserva de mercado em várias áreas por causa dessa conversa mole do PT que só nos atrasou em tudo.
Agora estamos podendo avançar em direção onde vários países estão. Governo 17 destravando setores presos a mimimi ideológico do atraso. 
Avante.
Que situação, rapá...

A posse do novo reitor no Teatro Riachuelo é de uma infelicidade sem tamanho.
Desprezo pela própria estrutura da UFRN, que é a melhor da cidade, caso seja paga é um absurdo diante da situação atual, além de ser considerado por alunos ideologizados como palco da elite branca e da burguesia putrefata. 
É o que venho observando lá, papo de povo e conduta de barão. 
Que situação, rapaz...

Todos os dias leio que algum deputado está insatisfeito com o partido pelo qual foi eleito e que vai pedir para sair. Não seria melhor acabar com os partidos, as pessoas diziam na campanha o que pensam e votaríamos em pessoas, acabando de vez com essa hipocrisia, uma vez que os partidos estão desconfigurados e são meras formalidades?
Ou então formar mais um, o Partido dos Insatisfeitos. Certamente em pouco teria a maior bancada.
Que situação, rapaz...

Sobre maldades e humanidades

Quando a população em geral de um País pobre como o Brasil paga uma mega estrutura jurídica, com uma hiper rede de juízes, serventuários, oficiais, desembargadores, ministros, prédios, diárias, inúmeros auxílios, material de expediente, segurança, aluguéis, tribunais etc; para funcionamento de uma legislação que oferece dezenas de oportunidades para os acusados com instâncias, recursos, audiências, recorrências etc, mesmo que a realidade prove que a grande maioria das acusações se confirma ao fim de tão longeva odisséia que atende pelo pomposo nome de "presunção de inocência", numa argumentação legalista que se prova a cada dia mais pró infratores que vítimas, podemos afirmar que somos sim, humanistas!
Quando a população brasileira paga os custos de uma oceânica rede de saúde, muitas vezes utilizada por bêbados irresponsáveis no volante, fumantes, viciados em drogas, agressores de mulheres e fraudadores do INSS, podemos afirmar que somos sem dúvidas, humanistas!
Mas quando falta dinheiro por causa da manutenção dessas e de outras mega estruturas públicas, a serviço de marginais, irresponsáveis e viciados, faltando remédios, aumentando tempo de processos e provocando a morte de milhões de pessoas de bem carentes de serviços públicos, seria correto afirmar que ao aceitar essas situações descritas, somos desumanos?
É uma reflexão. 
Que situação, rapaz..

 

COMPARTILHE